segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A história continua

"A Polícia Judiciária propôs ao Ministério Público uma nova acusação de Isaltino Morais por corrupção…

De acordo com o Jornal de Notícias, o presidente da Câmara de Oeiras, terá recebido 400 mil euros em luvas."

Algumas figuras corruptas, senão mesmo maléficas no pior sentido, conotadas com o eixo político do Centrão (e não se trata apenas de Isaltino e de Duarte Lima) continuam a ser protagonistas nos media nacionais pelas piores razões.

As entidades competentes (PJ e não só) bem se esforçam no combate ao crime de colarinho branco, mas estas figuras polémicas continuam impávidas e serenas (?!) a iludir a Justiça e a insistir na sua trajectória, pelo que nos é dado ver, obscena, dando péssimos exemplos à sociedade e uma má imagem do País.

Vivências poéticas

Maria Almira Medina-Foto Figueirense

Maria Jorge a autografar
Maria Jorge-Foto Figueirense


No pretérito dia 30, teve lugar na Biblioteca Municipal pelas 16H00, uma exposição de artes plásticas da autoria da Tavaredense Maria Almira Medina e seu marido Jorge Cardoso, seguida do lançamento do novo livro, Vivências Poéticas, de Maria Jorge, pseudónimo da poetisa, conhecida pelo seu círculo de amigos mais chegados por Maria Clementina, seu nome de baptismo.

O lançamento do referido livro foi patrocinado pela Junta de Freguesia de S. Julião e a sua apresentação feita no auditório do Museu Municipal Dr. Santos Rocha pelo Prof. José António Sousa, presidente da Assembleia de Freguesia de Tavarede e Coronel Góis Moço presidente da já referida J. de Freguesia de S. Julião.

Estiveram presente neste evento o Grupo Coral Cantigas de Tavarede, bem como  grupo de dança For You, ambos da SIT.

A “declamação de alguns poemas acompanhados ao piano pelo maestro Silva Cascão e uma intervenção do grupo sénior” fizeram também parte do espectáculo que teve a presença de muitos e espectadores.

O espectáculo finalizou com um convívio informal de muitos “fregueses” a quem foi servido um pequeno beberete que proporcionou, porventura, uma maior e melhor disposição, numa tarde para recordar.

Estão de parabéns os patrocinadores, participantes e todos aqueles que de alguma forma dinamizam e se preocupam com eventos desta natureza que fazem interagir as pessoas, preservando assim a nossa identidade e cultura locais.

Por, isso, vem a talhe de foice dizer que estranhamos os novos fados  que parecem querer  decapitar o poder local, que já existia antes da Nacionalidade (municípios e freguesias) e que foi o tijolo com que se ergueu Portugal e a alma mater de um povo com mais de 800 anos de história.

Imagem

Figueira és um belo altar
pelo sol iluminado
onde o piano do mar
é p'las sereias tocado


Teu manto verde azulado
ondula ao sabor do vento
todo em renda recortado
na babugem do lamento


que a vaga faz ao espraiar
na areia fina da praia
à qual se vai entregar
em requebros de cambraia

(Maria Jorge)

Clicar nas fotos

A perversidade da dívida pública



Este sistema que ignora as prioridades dos cidadãos, é criado pela ganância e usura que por sua vez cria o monstro da  especulação financeira e engorda desmesuradamente os interesses capitalistas.
Só assim se percebe porque é que os diferentes Estados da UE não podem pedir empréstimos directamente ao BCE, mas sim a outros bancos com juros incomportáveis que aumentam cada vez mais a dívida, a breve trecho, impossível de pagar, como acontece na Grécia.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

A revisão da História

..."O BPN contaminou criminosamente a economia nacional e vai continuar a onerar cada um dos orçamentos das famílias portuguesas, privando-as de rendimentos essenciais..."
Ver mais aqui.

Ah, como é bom viver
neste remanso,
sob o império do gamanço.
A caminho da pobreza

Na ditadura das finanças,
deixando que nos limpem o cu
como se fôssemos crianças

E aguardar uma ignota manhã
de nevoeiro
e resgatar o nosso dinheiro

Ah,
“Quanto é melhor, quando há bruma,
  esperar por Dom Sebastião,
  quer venha ou não!”

A Música e a Alma

Balada para Adelina



Um belo vídeo e mais uma extraodinária interpretação de André Rieu.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Mau tempo na Figueira



Hoje, às treze horas, a chuva e o mau tempo continuam a fustigar a Figueira.
Nas fotos alguns estragos provocados pelo mar na marginal oceânica, junto ao restaurante Tamargueira.

(Clicar para zoom)

A Cimeira


Nesta imagem não concebemos a fragilidade da linha Maginot nem imaginamos o rigor prussiano da ocupação germânica. Em vez disso vemos a amizade do “eixo franco-alemão” que está a provocar grandes incertezas e dores de cabeça na Europa.
Porém, neste momento pouco protocolar, de olhos fechados, ele de gabardina e ela de chapéu-de-chuva, prenúncio de "mau tempo", parece que a vida é bela para quem nos dá cabo dela. 
O sonho pode continuar…ou acabar de repente.



terça-feira, 25 de outubro de 2011

A dívida pública

Apesar da nossa incapacidade, quase proverbial, de nos governarmos a nós próprios, ficam aqui alguns números e apontamentos, dignos de reflexão:

A dívida pública portuguesa atingiu os 106% do PIB no segundo trimestre  deste ano.
Em valor os 106,6% do PIB corresponde a 184,1 mil milhões de euros. Este montante equivale a cerca de 17.400 euros por cada português.

Comparando com a dívida Alemã que  é de 1.716.987 milhões de euros, cerca de 83% do seu PIB, cada um dos cidadãos alemães corresponde uma dívida de 21.003 €. "E isto num estado com uma economia forte, considerada o motor da Europa!..."
Mas, segundo o jornal alemão Handelsblat, especializado em assuntos económicos, a dívida pública da Alemanha pode passar dos actuais 83% do PIB para 185% porque há muita coisa escondida para aqueles lados, entenda-se chancelarias.
Ler mais aqui.

Quer isto dizer que se tivesse havido mais senso na administração dos dinheiros públicos e menos gestores corruptos, género BPN, podíamos estar muito melhor do que estamos. Mas pode ser que com alguma determinação, com bons exemplos que já vão aparecendo,  justiça e coragem, se consiga salvar ainda o que puder ser salvo e, assim, melhorar a vida dos portugueses e honrar os pergaminhos da Nação.

Ajudas suspeitas do Estado ao BPN

"Bruxelas suspeita que o país violou regras europeias em matéria de ajudas de estado, podendo em ultimo recurso obrigar o banco a devolver essa ajuda. A investigação vai apurar se o BPN "será uma entidade viável após a sua integração no futuro comprador, se o auxílio concedido ao BPN é limitado ao mínimo necessário para realizar a reestruturação, se foram adoptadas medidas suficientes para limitar a distorção da concorrência e se o processo de venda não implica um auxílio para o comprador".

(In D.Económico)

O imbróglio do BPN (objecto de uma nacionalização apressada e polémica) o desastre das parcerias público/privadas nos vários sectores de actividade (rodovias, saúde, parque escolar, etc.) com contratos feitos por gestores "topo de gama", em que o Estado saiu sempre a perder, e os fundos mal aplicados vindos da UE, são algumas das principais causas dos buracos financeiros e das suspeitas em curso.

Não tenhamos dúvidas: obrigaram-nos a entrar na barca da troika e os troikos e banqueiros, vão obrigar-nos a espiar os erros no inferno das dívidas e, o que é pior, na hipoteca vergonhosa da independência Nacional!...

Nota: reposição do post de ontem



--

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

SOLIDARIEDADE


É de louvar esta iniciativa da Freguesia de S. Julião da Figueira da Foz, cuja finalidade é a oferta do cabaz de Natal aos figueirenses mais desfavorecidos e para responder, também, a outros pedidos de apoio cada vez mais prementes.
Infelizmente, a Figueira vive "Anos menos Dourados", tal como o País. Daí a razão porque se justifica, ainda mais, tal iniciativa que merece o apoio incondicional de todos nós.

Clicar na imagem para ver programa.

A Justiça e os cortes na Função Pública


A Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) na sequência do que considera cortes "ilegais" do subsídio de Natal e férias da Função Pública, promete zelar pelo Estado de Direito.

No comunicado a que a Renascença teve acesso, pode ler-se ainda o seguinte:

“Neste momento de emergência nacional, em que o país parece caminhar a passos largos para uma tragédia económica e social, os juízes portugueses querem assegurar aos seus concidadãos que estarão sempre do lado da protecção dos direitos fundamentais dos mais fracos e desfavorecidos e que não caucionarão atropelos aos valores da Justiça e do Direito, consagrados em instrumentos internacionais e também na Constituição”...
Ver mais aqui.

A questão não é pacífica e o tom está dado por alguns órgãos do poder e por outra figuras de relevo da vida Nacional, incluindo o PR com as suas recentes afirmações. E não é por acaso que os militares se reuniram no pretérito dia 29, interpretando de algum modo, também, o sentimento de descontentamento de largas franjas da sociedade civil.

Creio que todos os verdadeiros portugueses estão interessados em salvar o País da grave da situação em que se encontra, mas esperam que haja equidade nos sacrifícios.
Os que mais podem devem ser os primeiros a fazê-lo e a dar o exemplo, nomeadamente os principais culpados pela actual situação, alguns dos quais deveriam ser ainda responsabilizados por actos e omissões enquanto governantes. Só deste modo, quem governa, conseguirá credibilizar-se aos olhos de um povo já por demais sacrificado e enganado por alguns falsos democratas cuja única virtude tem sido a do "engenho e arte" para se governarem a eles próprios.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A Música e a Alma

Bom fim de semana



"Estava a pensar nos problemas e decepções que a vida nos traz e, ao ouvir esta música, dei comigo a concluir o seguinte:
Tudo o que nos acontece de mau vai acabar por passar. O futuro é o que importa e o presente é a viagem para lá chegarmos. Não nos podemos deixar abater pelos erros do passado, mas antes aprendermos com eles para que não se repitam e podermos ser diferentes e melhores do que aquilo que fomos.
Temos de viver e aproveitar a vida, não como queríamos que ela fosse, mas como é possível fazê-lo."

Nota:
Tradução livre de um comentário inserto no Youtube

O segredo é a alma do "negócio"...

"Directores da PSP aumentaram em segredo o seu salário"

"O Director-Nacional, os três Directores adjuntos e o Inspector Nacional da PSP aumentaram-se a si próprios já no ano passado, colocando-se logo no novo regime remuneratório da polícia, deixando para trás a esmagadora maioria do efectivo que não transitou para esta tabela, em vigor desde início do ano. Só para o "chefe" máximo foram mais de 800 euros mensais."

In DN Portugal

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

A indignação do Bispo

D. Januário Torgal, sobre o OE de 2012



Afirmações do entrevistado:
-Não houve um desvio colossal; houve vários e vergonhosos desvios colossais.
-Os mais desfavorecidos vão ser completamente esmagados.
-Eu vou ser "julgado" por esta entrevista.
-Estamos a caminhar para o Apocalipse now da Grécia.

O pensamento do dia

"Não se pode acreditar que é possível ser feliz procurando a infelicidade alheia."

  Séneca

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Alguém anda a "tratar-nos" da saúde...

"A redução da despesa dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) em 11 por cento, imposta pelo governo, levou a administração do Hospital Distrital da Figueira da Foz a equacionar alterações ao funcionamento do bloco operatório, do serviço de oncologia e da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER)."

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina de Emergência, recusa acreditar na posibilidade de a VMER da Figueira da Foz ficar para à noite, pelos riscos que isso implicaria para a saúde dos cidadãos. "Penso que será um boato ou uma manobra de diversão para promover outro tipo de lutas com o INEM, considera Vítor Almeida frisando que a VMER da Figueira da Foz "é insubstituível como o comprovam os números e as vidas salvas".
"A VMER não é acionada para tratar unhas encravadas, mas quando há risco de vida e iminência de falecimento, é um serviço de vital importância", destaca o médico, para afirmar que "o Estado tem que assegurar estes serviços aos cidadãos".
....................................................................................................

"Quem responde em tempo útil aos doentes aos doentes que necessitem de cuidados cirúrgicos urgentes? Será que Coimbra tem margem de manobra para responder a todos os doentes de rotina, urgentes e até emergentes?", questiona o médico. "Ou corremos o risco de destruir uma estrutura que fez escola na área da emergência médica, a VMER da Figueira da Foz, e serviços cirúrgicos com obra feita? Destruir é fácil, mas reconstruir depois do erro cometido, praticamente impossível", conclui Vitor Almeida, aconselhando "ponderação e bom senso, sem dogmas, mas com análises honestas sem interferências externas".

As notícias locais, e não só, vindas a lume nos últimos dias, levam-nos a acreditar que a crise que o país enfrenta, vai afectar gravemente o desenvolvimento do Concelho da Figueira da Foz em vários sectores de actividade, inclusive o dos transportes ferroviários. O da saúde é um dos que vai sofrer graves cortes ou lacunas se o bom senso de quem de direito não arrepiar caminho.
Sabemos que o país atravessa grandes dificuldades que não podem ser imputadas à maioria da população, mas a quem nos tem governado nos últimos anos. Tudo o que nos está a acontecer pode ser o início de uma tragédia idêntica à de Alcácer-Quibir (1578) em que perdemos a independência. Mas quando se trata de morrer, ocorre-nos o que disse D. Sebastião no fragor da batalha que se anunciava perdida: "Morrer, sim, mas devagar."
O título deste post diz que alguém anda a "tratar-nos" da saúde. Ficámos a saber, pelas entrelinhas do texto, que esse alguém é o Estado com as medidas deste Governo, mais propriamente da respectiva tutela.  Mas também existem as "interferências externas" e, quanto a esta afirmação, perguntamos: será só a "troika?" E que lobbies de interesses são esses das tais "interferências externas" que têm a Figueira em tão pouca conta?
Uma coisa é certa: a crise não explica tudo e ficamos com a ideia de que os figueirenses irão perder tanto mais, quanto mais se acomodarem com tais medidas e com eles as forças vivas que representam o Concelho.

Nota: Foi feita transcrição parcial da edição impressa do Diário da Beiras.




domingo, 16 de outubro de 2011

Revolta e indignação em crescendo


"Precários, reformados, jovens, pessoas de meia-idade, idosos, crianças, famílias inteiras, constituíram os milhares de pessoas que esta tarde (ontem) desfilaram do Marquês de Pombal à Assembleia da República (AR), ‘indignados’ com o sistema político e financeiro."

‘FMI e troika fora daqui’, apelos à luta, insultos aos responsáveis políticos são alguns exemplos do que as pessoas tinham para dizer esta tarde, quer fosse gritando ou empunhando cartazes, uns muito elaborados, outros tão improvisados como uma frase escrita numa folha de papel A4."

Uma onda de contestação emerge um pouco por toda a Europa pondo em causa as políticas da UE a reboque de um eixo Franco-Alemão doente em que a falta de solidariedade, a corrupção e a especulação financeira, podem ser as sementes de destruição de um projecto arquitectado nas chancelarias do poder e imposto de cima para baixo. O euro treme e com ele mais um sonho europeu que cada vez mais se parece com um pesadelo. E isso é evidente: basta ver os comentários e a revolta das pessoas.

Pós-texto:
Ver aqui fotos da manifestação.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Os bons exemplos



"É nos momentos de crise que se vêem os Estadistas e pensando nalguns deles lembrei-me de alguns bons exemplos que alguns deles, através dos tempos, nos deram!"


HAJA BOM-SENSO, PARCIMÓNIA, EQUIDADE E BONS EXEMPLOS! PORTUGAL PRECISA!

O ano de todos os sacrifícios



Depois de uma análise sumária aos cortes do Orçamento de Estado para 2012 que implacavelmente vão degradar ainda mais a vida dos cidadãos mais fragilizados pela crise, constatamos que o ano de todos os sacrifícios não vai ser o ano de sacrificio de todos os portugueses. É isto mesmo o que se pode ver aqui nesta amostra do Expresso que revela os rendimentos de 15 políticos, antes e depois de terem entrado no Governo, num trabalho do jornalista António Sérgio Azenha.

Passos Coelho disse no seu discurso que "Nunca nos devíamos ter permitido chegar a este ponto". Mas o que é certo é que permitimos (alguém permitiu) e era suposto que com tais crânios e talentos, estes políticos e outros gestores tão bem pagos, escolhidos pelos sucessivos governos, o país não enveredasse pelo caminho do colapso.

Não há milagres. Milagres fez Cristo com a multiplicação dos peixes e dos pães... mas há quem tenha feito a multiplicação dos seus proventos à custa do "milagre" dos outros que sempre tiveram ordenados e pensões baixas e que muito difícilmente irão sobreviver nos anos mais próximos com as medidas radicais do OE de 2012.

Não discutimos a necessidade dos sacrifícios para combater a crise. Há que enfrentá-la e cumprir com os compromissos assumidos. Discutimos, tão só, as pessoas que criaram e se serviram do sistema; que estiveram quase sempre no epicentro do previsivel "furacão" e que por sua causa são pedidos agora mais sacrifícios ao povo sem que nada lhes aconteça.

E não há responsáveis nem culpados pela situação a que se chegou? Ou a culpa prescreveu como é apanágio neste país de brandos costumes?

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Inauguração polémica



"O hotel da Ponte do Galante deverá ser inaugurado na próxima primavera, com a bandeira Holiday Inn. Caso se confirme a data, a unidade hoteleira abre com mais de dois anos de atraso, devido às paragens que se têm verificado na obra, que desde o início se revelou polémica, por se enquadrar numa urbanização cuja densidade tem sido fortemente contestada por diversas forças partidárias e pela opinião pública."

In Diário das Beiras

Tal como a sua construção a sua inauguração pode não ser vista com bons olhos!...
Para já, na fotografia, só se vê o que parece ser a chaminé do "TITANIC."

Foto Jot'Alves

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Outros Homens


“Mudam-se os tempos…Mudam-se as vontades…”Mudam os homens também!...


Natural da Horta, Açores, oriundo de famílias aristocráticas, veio estudar para Coimbra. O pai deixou de lhe pagar os estudos. Trabalhou, dando lições de inglês para poder continuar o curso de direito. Antes de ser eleito Presidente da República, foi deputado às Cortes em Janeiro de 1883, pelo círculo da Madeira. Esteve dois anos no Parlamento e renunciou ao seu vencimento como professor liceal, recebendo apenas o subsídio Parlamentar a que tinha direito.


Foi eleito deputado novamente para a Assembleia Nacional Constituinte a 30 de Abril de 1890 pelo círculo de Lisboa. Nesta segunda passagem pelo Parlamento (28ª legislatura) onde esteve quatro anos, recusou novamente a acumulação de vencimentos.
Foi advogado, professor, escritor, político e deputado com grande poder de argumentação.
Foi vereador da Câmara de Lisboa.
Foi reitor da Universidade de Coimbra e Procurador-geral da República.
Aos 71 anos de idade quando eleito Presidente da República Portuguesa, disse na tomada de posse:
“Estou aqui para servir o País. Seria incapaz de alguma vez me servir dele”…


Recusou viver no Palácio de Belém, tendo escolhido uma modesta casa anexo a este.
Pagou a renda da residência oficial e todo o mobiliário… do seu bolso.
Recusou ajudas de custo, prescindiu do dinheiro para transportes, não quis secretário, nem protocolo e nem sequer Conselho de Estado.
Passou 50 anos da sua vida em defesa de uma sociedade mais justa.
Quem é?
Este SENHOR era Manuel de Arriaga e foi o 1º Presidente da República Portuguesa (1911-1915).


Outros tempos…
Outros HOMENS…

Nota: Recebido por mail a que fiz pequenas alterações

domingo, 9 de outubro de 2011

A Madeira do Jardim


João Jardim ganha as eleições regionais na Madeira por maioria absoluta.

"Após exercer o seu dever cívico, Jardim declarou ser «anormal haver uma Comissão Nacional de Eleições que só serve para gastar dinheiro aos contribuintes», afirmando: «o que a Comissão Nacional de Eleições considera, para mim vale absolutamente zero».

Consequências imediatas do resultado destas eleições:

-O delegado da Comissão Nacional de Eleições na Madeira vai renunciar ao cargo afirmando ter recebido três dezenas de queixas de situações ilegais relacionadas com o acto eleitoral;

-João Jardim vai continuar a desafiar os poderes de Lisboa e a fumar com arrogância e displicência os seus havanos, atirando o fumo para os olhos dos “cubanos do Cont'nente,”que vão ter de aturar os seus desvarios durante mais quatro anos.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Aguiar de Carvalho homenageado



Hoje o município da Figueira da Foz homenageou na Praça da Europa o Eng.º. Manuel Alfredo Aguiar de Carvalho que foi presidente da edilidade de 1983 a 1997, numa cerimónia presidida pelo actual presidente da Câmara Municipal,  Dr. João Ataíde.

O concelho da Figueira deve-lhe muito enquanto responsável pela autarquia, nomeadamente nos seus dois primeiros mandatos, devendo-se a ele a construção da actual Praça da Europa que, a partir de agora, passa a chamar-se: "Praça da Europa Aguiar de Carvalho."
Um reconhecimento que não fica mal, mas que ele próprio recusaria, tanto quanto sabemos.
Teve alguns detractores, uns por razões políticas, outros por interesses mediatos, que hoje não apareceram na cerimónia ao homenageado. Fizeram bem. Foram coerentes com eles próprios.
Outros opositores, alguns do seu próprio partido, saudosos de protagonismo, marcaram presença, mas não deviam saber bem o que lá estavam a fazer…
Quanto ao que pensamos do homenageado, um homem com
virtudes e alguns defeitos, como quase todos nós, já aqui foi dito: "Recordar Aguiar de Carvalho".


Resta-nos acrescentar que a sua acção e a sua obra ficam bem sintetizados para a posteridade no pensamento gravado na pedra do memorial de hoje:


…Sê todo em cada coisa.
Põe quanto és no mínimo que fazes.
Assim e cada lago e lua toda brilha, porque alta vive.

Ricardo Reis