segunda-feira, 12 de abril de 2021

A PETIÇÃO




"Traduzindo a indignação gerada pela decisão, do juiz, Ivo Rosa, foi colocada na Internet uma petição pública, dirigida ao provedor de Justiça, à Assembleia da República e ao Supremo Tribunal de Justiça".


Trata-se de uma manifestação espontânea que até à data foi subscrita por mais 170 mil cidadãos que se sentem defraudados com a degradação e ineficácia da justiça para julgar os grandes corruptos que não pode ser ignorada. É um sério aviso de que algo está muito mal.
É uma forma "do direito à indignação" defendido por muitos democratas e que eu perfilho.  

Diz-se que a petição devia ter sido dirigida ao CS da Magistratura e não à AR (salvo melhor opinião) porque existe separação de poderes. Por isso, afirma-se, não tem valor legal.  

Vem a talhe de foice dizer que o 25 de Abril que eu apoiei desde a 1ª hora, também não foi legal e nem por isso os militares desprezaram o apoio massivo do povo descontente com o anterior regime. E muito bem. 

Vem isto a propósito de um conhecido e prestigiado militar de Abril ter invocado Baudelaire para criticar a petição em curso e a manifestações das multidões.

Não posso deixar de dizer que fiquei surpreendido com o que li. Por isso é que nas actuais circunstâncias em que a podridão do sistema é evidente, creio que é curial perguntar aos militares de Abril (a quem continuo a prestar a minha homenagem) de que lado da barricada é que eles estão.

domingo, 21 de fevereiro de 2021

NAÇÃO VALENTE

 Com o sub-título, Dinamite e asfalto, o colunista, João Pereira, escreve hoje no CM, sobre a abstrusa ideia (para não lhe chamar outra coisa pior) da demolição do Padrão dos Descobrimentos:


É da sabedoria popular que: "Vozes de burro não sobem ao céu". Todavia, algumas dessas vozes, mais vezes do que seria para desejar, "ascendem" à AR com o beneplácito de alguns partidos o que deixa perplexa e incrédula a maioria dos portugueses.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

O Poder Político, o Covid e a NOM

"O Poder Político (e suas Instituições) esqueceram-se que os Bancos Públicos guardam o Dinheiro proveniente dos Cidadãos, das Empresas, obtido pelo Estado através dos Impostos, Taxas, Coimas, etc..." Miguel Mattos Chaves.

Uma excelente análise que põe o dedo numa ferida que parece ser irreversível. E quem é que vai punir os políticos e banqueiros que arruinaram o país cuja dívida soberana é das maiores da Europa? Os países ocidentais que estão em situação idêntica também eles são vítimas do modus operandi errado do capitalismo de casino, da usura e selvagem que só beneficia as elites em vez de redistribuir com equidade a riqueza produzida pelo trabalho. Os governos dos respectivos países não estão muito interessados em punir os autores do descalabro económico e financeiro da Europa porque estes têm feito o que os têm deixado, ou mesmo incentivado fazer.
E como é que vamos sair da situação a que se chegou agravada pela pandemia do Covi-19? Pois, ao que parece a senhora Lagarde, o BCE e a EU,  já têm uma solução: o papel-moeda vai desaparecer e vem aí o dinheiro digital.
Um dia destes vão ficar com o nosso dinheiro e vamos só poder levantar o dinheiro que eles quiserem e as dívidas dos países vão ser pagas com o dinheiro de todos nós. Ou me engano muito ou estamos nas vésperas de entrar no "admirável" e falado mundo da Nova Ordem mundial onde o rebanho devidamente reduzido e amestrado irá ser feliz para sempre!...

 

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

ESTADO DE EMERGÊNCIA

Estado de Emergência

”O Presidente da República decretou esta sexta-feira a renovação do Estado de Emergência em Portugal por mais 15 dias, até às 23h59 de 23 de Dezembro…
Este é o sexto decreto de estado de emergência de Marcelo Rebelo de Sousa nesta conjuntura de pandemia de covid-19. Este quadro legal vigorou durante 45 dias entre 19 de Março e 02 de maio, e foi novamente declarado passados seis meses, estando em vigor desde 09 de Novembro.-CM.

Continuamos a enfrentar uma pandemia altamente perigosa que dá pelo nome de coronavírus (covid 19) e se assemelha a uma guerra total com mortes imprevisíveis e consequências económicas desastrosas. O “inimigo” não tem rosto, a sua presença não é perceptível, mas pode estar em qualquer lado.

Descobrimos, mais uma vez, a fragilidade humana e o medo perante uma situação de perigo excepcional que urge esconjurar. E este é tanto maior quanto sabemos que, até agora, não existem certezas de haver meios eficientes para o combater.

O tradicional Natal da Família não vai ser comemorado como costume. Vamos esperar que tudo o que está a ser exigido aos portugueses não seja em vão e que a vida em sociedade, o trabalho e todas as actividades cívicas voltem à normalidade.



 

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Restauração da Independência



São decorridos 380 anos após a Restauração da Independência de Portugal do jugo de Espanha.
Os portugueses estiveram confinados ao domínio castelhano durante 60 anos e compreendiam que só uma revolução bem organizada lhes poderia trazer a libertação.

Assim, no dia 1 de Dezembro de 1640, um grupo de 40 nobres fidalgos (os conjurados) dirigiu-se ao Paço da Ribeira onde estavam a Duquesa de Mântua, regente de Portugal, e o seu Secretário, Miguel de Vasconcelos. Este escondera-se num armário tendo sido morto a tiro e depois lançado por uma das janelas do Palácio para o Terreiro do Paço com os gritos  do Povo de traidor e de viva Portugal.

Não vou falar mais sobre este patriótico acontecimento, porventura o mais importante da História do nosso País depois da sua fundação (1.143) com o Rei D. Afonso Henriques, porque o tenho feito todos os anos nesta data. Direi só que o grande problema, mesmo, de Portugal de hoje, é que os Migueis de Vasconcelos sobreviveram e bem assim as suas pulhices e os nobres Conjurados de 1640, ao que parece, não deixaram descendentes....

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

A pandemia, a Emergência e os Confinamentos

 


O actual estado de emergência está ferido de contradições e a provocar a contestação dos sectores económicos mais frágeis do país. O número de mortos com o covid-19 não pára de aumentar e já ultrapassou os máximos de Abril. O medo instala-se.  


Na tentativa de salvar vidas com os confinamentos e estados de emergência impostos pelo Governo por serem considerados necessários para evitar contágios, surge o desespero e a angústia dos pequenos e médios empresários e a perspectiva da ruína da economia. O desemprego dispara com todas as suas consequências o que é muito grave. A situação política, por arrastamento, está a  degradar-se. E a saúde não tem melhores dias com a
greve dos enfermeiros.

A preocupação é muito grande com o que se passa no país, porque a perspectiva é a de morrer-se da cura, se não se morrer da doença. O sector da restauração e hotelaria são os mais sacrificados. As falências sucedem-se. Os direitos, liberdades e garantias ficam suspensos ou são mesmo retirados.
Nestas circunstâncias, creio que é crucial e imperativo que todos os portugueses patriotas e conscientes da situação, cerrem fileiras com o desígnio Nacional de vencermos a luta contra esta maldita pandemia cujas
origens  estão por esclarecer e que, eventualmente, podem estar na agenda dos objectivos totalitários da falada NOM que escapam ao vulgar cidadão.

A pergunta inevitável é: enquanto país de fracos recursos, bem como outros países do espaço europeu, como é que vamos enfrentar e sair desta ameaça que está a estrangular e a por o país de joelhos?

NOTA: o antepenúltimo parágrafo aponta claramente para as chamadas teorias da conspiração. Não sou propriamente um defensor das mesmas, até porque algumas são um perfeito disparate. Mas, é preciso não esquecer que a afirmação: "o homem é o lobo do homem" é verdadeira e que a ambição ancestral do homem pelo domínio total do Mundo não o é menos.

quarta-feira, 21 de outubro de 2020

A dívida Portuguesa dispara

Endividamento da economia está em 736,6 mil milhões de euros.

"O endividamento da economia portuguesa registou uma subida de 1,7 mil milhões de euros em Agosto, face ao mês anterior e fixa-se agora nos 736,6 mil milhões de euros, atingindo assim um novo recorde.

Os dados foram divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal (BdP). “Em Agosto de 2020, o endividamento do sector não financeiro situou-se em 736,6 mil milhões de euros, dos quais 334,4 mil milhões de euros respeitavam ao sector público e 402,2 mil milhões de euros ao sector privado”, avança o banco central."
Isto equivale a dizer que cada português é responsável pelo pagamento de 25.000 (mil euros).

Fonte: Semanário SOL

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

Os antitudo

 


 Estamos a assistir a diversas e inusitadas manifestações de antifascismo e anti-racismo, despropositados em tudo quanto é lado que não são de todo inocentes, na presunção de que o fascismo e o racismo e não só, estão logo ali ao virar da esquina. Vemos, mesmo, em algumas páginas do face, ícones estampados a fazerem o aviso das agora "adventícias" e tão perigosas calamidades... Como se nós tivéssemos a memória curta de um passado difícil que não esquecemos. 

Tenho dúvidas de quais são os verdadeiros objectivos destes manifestantes. Em alguns casos a hipocrisia e o oportunismo dos anti são evidentes. O que é para admirar é que, na mesma medida, tais cidadãos (?) não façam manifestações para sensibilizar as forças vivas do país (se é que estão mesmo vivas) no sentido de lutar por um verdadeiro estado de direito. Mais do que lutar contra, importa lutar por um país livre do flagelo da corrupção, dos corruptos e da (in) justiça que são o verdadeiro nó górdio dos males que nos afligem e empobrecem. Mas isso não deve estar na sua agenda. O que deve ser mais importante para os antitudo é manter o sistema e servir-se do medo por forma a inverter as prioridades das acções tão necessárias para esconjurar os falsos democratas e os predadores do país.

quinta-feira, 23 de julho de 2020

A música e a Alma

Balada para Adelina
Na minha modesta opinião a melhor e mais apreciada execução musical de Richard Clayderman:

quinta-feira, 30 de abril de 2020

Hitler morreu há 75 anos



Hitler, o nazi que pôs a Europa a ferro e fogo na 2ª. Guerra Mundial (1939/45) morreu no seu bunker com um tiro na cabeça. Foi o fim do nacional-socialismo e de uma guerra que vitimou mais de 73 milhões de pessoas incluindo militares e civis de ambos os lados. Hitler sabia que não tinha perdão e num acto de desespero e cobardia, suicidou-se para fugir ao seu julgamento pelas tropas aliadas.

Ver aqui como a António Ferro conseguiu fazer em 1930, em Munique, uma entrevista ao ditador nazi.

sábado, 25 de abril de 2020

Viva o 25 de Abril



A génese do 25 de Abril, começou em meados de 1973, com Salgueiro Maia e alguns oficiais seus camaradas de armas, na Guiné-Bissau.

Em 1974 o militar mais puro do 25 de Abril e grande operacional da revolução dos cravos,
"com meios confragedoramente débeis", torna a revolução vitoriosa.
Pouco tempo depois foi transferido para os Açores, só voltando a Santarém em 1979, onde ficou a comandar o Presídio Militar de Santarém o que não deixa de ser desprestigiante para um dos mais relevantes militares da revolução.
O herói da liberdade relegado ao papel de "carcereiro". Por que carga de água lhe fizeram isto, não se sabe. Uma atitude que nunca foi devidamente explicada. Só em 1984 regressa à EPC.
Mais tarde, Cavaco Silva recusa pensão ao militar de Abril.

Se as revoluções costumam devorar os seus autores, pode dizer-se que Salgueiro Maia é bem o exemplo disso.

Pós-texto:
Salgueiro Maia exerceu as funções de 2º. Comandante no Presídio Militar de Santarém.

segunda-feira, 20 de abril de 2020

Comemorar o 25 de Abril


 


Quase na véspera do 25 de Abril instalou-se a polémica se o evento que nos trouxe a Democracia e a Liberdade deve ou não ser comemorado na Assembleia da República. Eu próprio que gosto do 25 de Abril, tive dúvidas devido à actual quarentena. Mas, se a AR não fechou portas por causa da pandemia, e continuou e continua a trabalhar com um número reduzido de deputados cumprindo com as necessárias cautelas sanitárias, o que não se justificava agora é que as fechasse para não comemorar.
Isso seria um sinal contrário ao espírito do 25 de Abril dado pelos verdadeiros democratas ao país.

A dúvida estará só no número de convidados que por precaução não deverá exceder determinado número de segurança. Justifica-se, portanto. O que já não se justifica são os insultos visíveis na ribalta da política, feitos por quem gosta do 25 de Abril e aqueles que não gostam, nem nunca gostaram, chegando a chamar-se de imbecis, uns aos outros numa atitude nada dignificante.
Senhores políticos e apoiantes das esquerdas e direitas: Haja contenção e deixem os insultos no caixote do lixo da falta de educação e civismo. Seguramente esta será a melhor forma de comemorar o dia da Liberdade e da Democracia com o decoro e o respeito que se impõem.


sexta-feira, 17 de abril de 2020

A Música e a Alma

1967 - Recordar é viver

O puzzle vai-se encaixando



Para reflectir.
"Em recente conferência na Califórnia, Gates revelou uma agenda oculta da sua filantropia: a redução da população mundial, também conhecida como eugenia."

A recente pandemia do covid 19 está a por o mundo à beira de uma crise de consequências imprevisíveis nunca vistas. Seja qual for a origem da mesma ou de outras semelhantes, parece que a sua criação radica num projecto sombrio há muito engendrado por forças diversas poderosas, quiçá maléficas que não olham a meios para atingir os fins a que se propuseram a que não é alheio o interesse dos laboratórios e do suposto filantropo: Bill Gates.

Talvez não seja despiciente dizer que os loucos que pontificam no mundo de hoje, precisam que os cegos, continuem cegos e não percebam que não se trata da tosquia do rebanho (isso foi sempre os que os grandes interesses fizeram) mas, outrossim, o que está em curso é o dizimar do rebanho para se imporem pelo medo à impotência dos mais frágeis e assim conseguirem poder e dinheiro.

O puzzle vai-se encaixando e se não resultar ainda desta vez, as tentativa vão continuar. A NOM assim o exige.