domingo, 3 de junho de 2012

Os javalis...


Vasco Pulido Valente diz hoje no Público, sob a rubrica, “Um escândalo”, na sua habitual crónica (OPINIÃO) que um senhor, antigo funcionário do SIRP, supostamente, deu informações da vida particular de alguns cidadãos, a uma empresa privada, que tinha conseguido através dos serviços secretos…

Depois de se referir à ”miséria moral” (como disse Balsemão) deste pequeno escândalo, acrescenta, que “o que se vê - e não se vê mal – é o espectáculo de uma dúzia de ladrões que se passeiam tranquilamente por Lisboa e almoçam nos restaurantes do costume em toda a paz de espírito ...

E VPV continua:

“Voltando ao “mistério” das “secretas” (se de facto o nome neste caso se justifica) anunciou ontem o ........ , chefe do SIRP (Serviço de Informações da República Portuguesa) que daqui em diante tencionava seleccionar “espiões” com um critério muitíssimo apertado e rigoroso e estabelecer o “recato” em que eles devem teoricamente trabalhar. Ao fim de 30 anos, Deus mandou enfim a Portugal um homem de acção. Mas nada nos garante que esta nova severidade dê resultado. A Inglaterra criou com benevolência e amor os “três de Cambridge”. A América dezenas de “liberais” que os russos pagavam. E agora até o Papa descobriu que a “vinha do Senhor” estava cheia de “javalis”, desde o presidente do banco do Vaticano ao seu próprio mordomo.

Se os “javalis” não fogem do Papa, como hão-de fugir do nosso doce primeiro-ministro?”, pergunta por fim VPV.

Nota: O título e o bold são meus. O texto deve ser lido na íntegra no Público.


1 comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar

Os comentários serão publicados após análise do autor do blogue.